26 de dezembro de 2008

To William

Dear William,
I believe I have come across her.

25 de dezembro de 2008

At 25th December

Stick Boy noticed that his Christmas tree looked healthier than he did.

(Tim Burton - Stick Boy's Festive Season)

22 de dezembro de 2008

She never was and could never, nor could I, and I haven't

I have killed her. Just now. I'm still shocked and I still haven't washed my hands. It's weird. She smells of oranges. She looks like a cartoon. She's beautiful. I'm not sorry. I could have fell in love with her. Some time. Some day in the future. Some weird re-encounter. Oh, but we have never met. I could have teached her how to dance and how to sew a sock, and she could have told me what makes her sleep and what she likes in sex. She liked Elton John and Jackson Five, I've figured, and her toothpaste was strawberry flavoured. I was nervous, never got to kiss her mouth and when she was lying on the floor in that strange angle I still felt her breaths drying my eyes. Her hair looked beautiful spread upon the wooden floor and her nose seemed to be still catching and releasing air. She looked lonely. Never more beautiful. Still she did not look peaceful, I wonder if she ever was. Her scent always reminded me of fire and her fingers of rape and murder. I think she was never peaceful. I see her in a tale of lost love, a lover that went away, a love that could not be, could never have been. She was doomed. So am I. I do not love her, and could never. She looks like a piece of wood, she's so static. What may be the story of that tatoo above the left hip and how old were those trainers under her bed? She could have been the lover of Napoleon and the whole curse of History changed by their thorny separation. She could never have loved me. She's dead now, it' ok.

Note

I don't find you interesting.(I don't know you.) I don't find you attractive. I do not want you. I wish I would and you would take me. I do not find a reasonable reason for this. Actually I do, but I wish it did not exist. It hunts me that I'm so puzzled about what may be so attractive about you that caught the other's attention. The other's attention is never caught.

21 de dezembro de 2008

Deliver to Henry

Dear Henry, I believe I have understood her.
You've only heard about her once or twice, I have always been most protective about my feelings and thoughts of her and even her only being. You possibly don't even know her favourite colour - telling someone else's favourite colour is already exposing your thoughts of them. But you've known she's a riddle. A riddle is possibly all you know of her, and all do I. Always feeling the greater disposition for falling in love with her never told me why I felt this, nor what she meant to me, nor what she was. Never have I encountered so peculiar, calling and challenging a soul. She's trully a riddle. If Wilde could only see her..! I'm sure he'd say she's the sphinx's secret itself, for she is.
I was always under the risk of falling in love with her, as I have already stated, but never did so. I still can and may, but I simply won't. If she'd ask me - and as you know me, I feel strongly invited to tell her all of this, for you know I'm always dazzled by and curious about what the truth might bring out - I'd say it was always a matter of choice and never a matter of choice, for it is exactly this. You yourself wouldn't understand or be able to grab her soul, my dearest, and I am very aware of how clever and astute you are. But I was thinking just now of my distress and erosion with her and suddenly realized what it is that she causes.
She is purely and simply an opportunity for an obsession. Knowing this, all is explained. For I, despite my strong wills to do so, never had an obsession. And who doesn't want or need one? Now, I know, Henry, that you've known my episodes of alcohol and gambling, but they were never an obsession: they were only and simply, for a time, my very only friends. But she is so clearly a fall, a downright fall, she could never be more attractive and nothing could be more attractive than her. She has no idea of that, of course, but she's so peculiar a case I believe even if she did she would still be a fantastic disease. Even she is unable to spoil and dominate such lovable danger.
So that's what she is. She's an obsession. Obsession IS her. It's even awkward we don't notice it from the start - she's fabulously a black dame, a black hole, a sin, she's alcohol and cigarettes, she's a drug, she's so completely a drug and she will eventually kill you. Even if she loves you back. That's just her.
She suffers too. She never finds peace, never will and does not seek it. And she'll die being just that, just this. If there's a God, she'll die coming, and still she'll be unhappy. She'll be blasé, as if looking to a camera, as if being a movie star, as if playing a role, for she plays, she is a role and she is not. She's the Cinema; you'd understand.
I'll die, Henry. Tomorrow or the day after that. This is not a probability. I'm glad.
Yours,

20 de dezembro de 2008

Smells like Lisbon

With the lights out it's less dangerous
Here we are now, entertain us
I feel stupid and contagious
Here we are, now entertain us
A mulatto,
An albino,
A mosquito,
My libido.

19 de dezembro de 2008

especially Rebecca will like this, I believe

"How my Bovary infuriates me! Still, I am beginning to get out of the wood a little. Never in my life have I written anything harder than what I am doing now, a dialogue of trivialities! This inn scene, for all I know, is going to keep me for three months; I feel I want to cry sometimes, so helpless do I feel. But I'd rather die than scamp it. What I have to do is to bring five or six talking characters into the same conversation, several others whom they refer to, the place where they are, the whole of their district, whilst giving physical descriptions of people and things, and in the midst of all this to show a gentleman and a lady who, through a sympathy in their tastes, are just beginning to take a fancy to each other. If only I had more space! But it is essential that this should be quick without being bare, full without becoming clogged, and yet I have to hold back for later other details which would there be more striking...."

Gustave Flaubert to Louise Colet, late one Sunday night in 1852, resting after a bout with the "Lion d'Or" scene.

Concretismo!!!

How to break someone down

"but, please, your scent. let it come first."

Always, right?

the whole point is a hole.

18 de dezembro de 2008

welcome to the jungle with wilde editors your parents beer cigarettes alcohol love loneliness panic shit freak coldplay sound blood sanitary fuck fall

In the end you can't stand it, but they do. You can't bear the noise, but they dance; you can't stand the vision, but they sit together and stare; you just don't understand, but their smells kiss, marry and bury each other with tears in their eyes. I too don't know if I'll find love, but you cry ahead. Children begin by loving their parents. After a while they judge them; rarely, if ever, do they forgive them. But the problem is with your own love. But nevertheless you don't forvige, you don't even bear to look, you beer to look, you beer and cigarettes, you cigarettes, you lousy and lonely. And your cigarettes, are they yours?, whose cigarettes are those? It's in your hands, in your hands, love, hatred and ultraviolence. You almost use it, it's not you, not your type, not your mind and your mentality. Your distorted mentality, so largely distorted, lost and lonely, you lost and lonely, you just like hell. And alcohol. Alcohol in your veins, you'd drink your veins, you'd drink your blood, it looks nice, it's warm, maybe it's wine, is it wine? You drunk and lonely, you soft and lonely, you lost and lonely, you just like hell. Absint. Absence. Absint absence, absint-minded, absent-minded again, but you've always been anyway, now there's at least fun. Joy, enjoy, overjoy, joy division, love will tear us apart, "we're not Joy Division!", they said, and they're not. Lights and sound, lights and sound, is this coldplay now?, is it cold now?, do you want a drink? and do you want to fuck? Do you want to get paid? Do you want to get laid? That way you get two things, don't you? Don't you? Do you and are you sane? Sanity, sanitary, loo, low, I've fallen at the low tide and meet me by the quayside, by Editors, editor's cut, I've cut myself by mistake, mom, how would it be on purpose? Purpose is scaring me, what if I can't see mine?, you are the colour, my dear. I want to quit, to quit, it's plain it's simple it's plain so why can't it be, why do you cry? I smoke, I slope, I stroke I strike I struck, thunderstruck, hardrock and what have you done to yourself is this really you? I am human and I need to love just like ev. I'm a tv show, a horror show, I'm a freak, I swear I'm not sorry, I swear, god dammit, I sweet, I sweat, you S.W.A.T, you're not saving me at all, love. Why do you panic on the corridor?, I'm here, am I not?. Yes, thank you, now please don't put me under more uncomfortable situations, will you, will you please, will you please me, can you, should you, is that really what keeps me coming back, now I come and I go, I go, cause it's more appropriate, it's more appropriate to go. You love me, all the time, and in the middle we find hatred, but you love. I love you, and I close my eyes more easily than you do, I rest too, and play snooker, alone if needed, cause sometimes it's needed and I've . I have my viciousness and manias, I'm weird, mom, mom, I need a beer, dear, is it too much, is it too much to ask. Let's make a promise, give me an idea, no, a bet, yes a bet, so much better. Bodies, stories, glories? You rot, you'll rot, you'll rock, and roll, you'll roll over and die. Yes!, you'll die! You'll dye, will she let you dye, should she interfere, you're not a barbie, you taste like barby, you taste like bribe and you take it. Will you share at least. Of course, what did you think we were, holy? Holy shit, holy shit man we're here again. Yes, but we'll die. Rest, may the plane crash. (Just don't pray; maybe there is a god after all.)

I know you won't answer

and have you seen the emails, and have you, have you, have you, have you? so many things. and will you come? and I don't come and I write late at night but not secrets.(something in this last part should be between parenthesis, but I don't know what)
i think when i talk is clearer that i miss you. imagine if you could see me

16 de dezembro de 2008

Fabulous Funny Cambridge

Cambridge Advanced Learner's Dictionary
cringe verb [I]
1 to suddenly move away from someone or something because you are frightened
2 INFORMAL to feel very embarrassed:
I cringed at the sight of my dad dancing.

15 de dezembro de 2008

"Seven simple rules for life in hiding"

1. Never trust a cop in a raincoat.
2. Beware of enthusiasm and of love - each is temporary and quick to sway.
3. When asked if you care about the world's problems look deep into the eyes of he who asks - he will not ask you again.
4&5. Never give your real name, and if ever told to look at yourself, never look.
6. Never say or do anything the person standing in front of you cannot understand.
7. Never create anything. It will be misinterpreted. It will chain you and follow you for the rest of your life. And it will never change.
Bob Dylan
but do you really wanna hide?

10 de dezembro de 2008

Nem leucemia nem planos cabíveis

Todo mundo sofre, e você estrategicamente posicionado para tirar-lhes a foto no momento do descanso. Daí também, e nada mais faz sentido, vai caminhando sem propósito para o depósito de lixo mais próximo e atira-se na esperança de expiação. Ninguém volta, ninguém te quer entre os mais queridos da turma e os primeiros escolhidos do time de futebol ou do medley de natação. Ninguém te quer. Você vai dormir e chora pela foto que bateu no momento de descanso do atleta mais sofrido do colégio e, embora a foto tenha sido de puro caráter artístico, você argumenta, ninguém vai gostar dela, ela é do momento mais suave das cinco horas de corrida do menino de doze anos com leucemia. Você pára, você olha, também você podia ser leucêmico e acho que então a foto valeria, você tem quatorze e ainda usa mamadeira e ninguém sabe e então já é lucro e você é disléxico e sozinho, mas não tem leucemia. O câncer mata e é trágico, é chato, é triste. Você não fuma, nem bebe, mas gostaria. Cada trago que dá sozinho no box mais mocado do banheiro pensa que é uma injeção de células tortas, mas e sem saber o porquê, traga mais uma vez. Sua família é católica apostólica romana, ortodoxa, dedicada, praticante, submissa, unida, amorosa, amante da medicina, da advocacia, da tradição e de todas as profissões que lhe trarão dinheiro e status. E de você, é claro. Você terá sucesso, mulher, filhos, casa, carro, aplicações e posses. Como assim você não quer? Você terá sucesso, mulher, filhos, casa, carros e aplicações. Sim, obrigada. Enfim, vai dormir, vai, coloca as idéias em mente e amanhã vem nos encontrar no almoço do jeitinho certo, como tudo deve ser., ok.

Oh, Editors

Ooh, Editors...
[thanks, dear.]

9 de dezembro de 2008

Shit. oh, and the layout too, I forgot!

I have no idea if the layout will last. We can't say it lifts your mood and, well, to be on the gutter is not what I need right now and as I already feel/fell in it and am not thinking as Wilde would advice ("We are all in the gutter but some of us are looking at the stars"), I should probably be coming round with an insight to bright my mood up, not the other way around. This is clearly a portuguese speaker writing; anglosaxons would never, under any circumstances(other than deliberate copy, I believe), write so intricately and laboriously. Anyway, the blog is beautiful. Oh, come on! Ok, dramatic and heavy and whatever but rather lucid, you must admit.
Inside I'm ridiculous. From the outside I'm worse: absolutely incomprehensible, weird, selfish, egocentric, stubborn, childish, blind, limited, influenciable, corrupted, tiring,,,,,,. The situation is pathetic. Radically different, I keep finding myself between two options, none of them acceptable if I'm to think about complete happiness. So I keep choosing half happiness and complete disaster instead of complete happiness and disaster. What are these barriers people have teached me? Christ(hehe), how to break them?, how to break them? Why can we not naturally face disaster, break free, ruin things, break up, break down, destroy, be different, choose another route, not live up to the other's expectations, be what we want and not what's supposedly better, etc etc. All the same old cliché nobody lives. And I'm this mess, I'm only accessed by that who will be put into the fire with me, we'll both burn, we'd be happy if, I'd be happy if.. if only I could, we'd be happy if I could. I keep elaborating strategies and plans, all doomed. None I manage to take further.
Even my love has changed. Having no idea where it is, I can't make it up again, wrap it in a beautifully designed paper and show it to the world. I don't know where it is. I don't know if it exists. I want to be free to start and restart, walk and fall, walk and fall. Why should I have to prove weird faces I don't have to make a thousand try-outs to make things work? What if I need a thousand tries to make it work? Why the fuck should they care? I'm tired. I'm tired and I don't think I can't fit again. If I have to go back to what I was, I won't fit again at all. In a way, I'm sorry. For mom, I'm sorry, I trully am. For the rest, ...rest.

Live with me.

[And if we lack something or have too much, just leave. (But when it comes to this, the weak side is me.)]

[riso pelo nariz]

Can't you see how common and vulgar we are? We love each other. And we'll die (like everything else). We'll hate and we'll fight and we'll get hungry and we'll drink and we'll have sex and we'll lie down and we'll shit. We never thought we were better than anything or anyone, but still. The difference is we would leave. Knowing or not knowing how. Dying for doing so or not. We can and would leave. Most people stop evolving when they notice it will lead to separation or full stops. We carry on. We are scared and we carry on and we smoke, together, in the middle of the process. Genious. And if we die before we part we'll smile at the other's grave and nobody will understand and everybody will hate us. But we'll smile. And plainly know it's the end. Live with me.

30 de novembro de 2008

A crise das conjunturas

Que ontem me pareceu insuportável e insustentável, e, oras, afinal era, e o caos das estuturas não era mais abraçável especial e exatamente por ser caos, e eu então insegura não sabia se o caos que eu abraçava era na realidade abraçar o caos ou simplesmente achar-se com os braços nele envolvidos, e nem se cheirava bem ou se era atraente eu sabia dizer. Olhei com meus critérios para a criatura nos meus braços e dos meus critérios não soube saber o que é que era a criatura, nem de repente soube achar meus critérios, e achando uns antigos e rotos não sabia se deles achava graça nem sabia por que ou como os achara. Então a compreensão de tudo que deveria mas não pode ser escapou-me pelos dedos, pela hostilidade e pelos dentes que, entreabertos sem razão lógica aparente, agarravam um cigarro ainda não aceso. Todo o entendimento e a complascência com as vidas que vivem com outras vidas dizimados pela raiz e eu com a raiz nas mãos para depois recolocá-la no lugar. Meu Cristo Redentor belo soltando fogo pela boca e pelo corpo, com as mãos em mim, nenhum outro corpo se encaixa tão bem em mim, talvez o violão e outros variados instrumentos musicais, mas não entram, como Cristo, com essa facilidade e delicadeza mesmo que de forma áspera e ágil. Meu Cristo, com as mãos em mim, outra no cigarro, eu completamente apaixonada, é claro, como seria diferente(?), como não(?), como sim, guerrearei em Portugal mais uma vez mas não consigo preparar-me para tal como não consigo preparar-me para os exames da semana que se enfia, nada se enfia nesse meio militar a não ser com amor, foda-se o amor, no meu quarto agora há três camas e é possível fazer uma orgia. E eu ontem louca, na quebra da segurança ontológica, achando que para se perder há um caminho.

Diretoria de Pesquisa e Estudos de Pessoal Fortaleza de São João

Chegou em casa. Subiu as escadas, nem mesmo o cachorro do andar debaixo implicou, como invariavelmente, com o barulho dos sapatos. Tudo dormia. Cheirava aos mais variados entorpecentes e a três ou quatro perfumes masculinos. Girou a chave, a maçaneta, um cacho, os ombros, e com carinho e inconsciência alisou a escápula esquerda. Confundiu as chaves na fechadura, caminhou piso frio adentro, não queria saber do lirismo que não fosse libertação. Colocou um cd e escutou a música errada, fechou a porta do quarto e dormiu de calcinha. Costurou imagens e sons, atentando para não rever rostos ou toques, sorriu com deboche e prazer dos cheiros de álcool e suor e, por mais que não sentisse o do tabaco, com curiosidade observou-se cuspir fumaça, prazer e dor. Pensou em dicotomias, fenomenologia, meteorologia e acordou com um terremoto. Tudo caiu e ela nunca mais foi a mesma; mas já não era.

27 de novembro de 2008

But they don't

- Hello. Where are you? What are you doing? Which are your tastes now? What is your name?
- Hey. Hi.
- Are you alive?
- Still.
- Why?
- Don’t know. Why are you?
- Where do you live now?
-
- Are you in love?
-
- I’m not. Are you?
- No, I’m not. But I’m not alone.
- Quit it. Nobody is giving you a blowjob now. That’s not your tone when somebody is.
-
- What’s your name?
- Still Fred.
- Weird.
- Are you still ridiculous?
- Can’t you tell? Why did we part?
- Things.
- Which things?
- If we knew we would not have parted.
- Wouldn't we? Are you alone now?
- Yes. It’s raining here.
- Here it isn’t. Are we this far apart?
- No; it’s not raining here. Why did we part?
- You never stayed when he died.
- You died every time I stayed. Why did you always cry?
- Too much silence. Why did you?
- It was rare.
- Yes, but why did you?
- Too much noise.
- You never loved me.
- That was never why we were together.
- Why were we?
- Why were we?
- You had a fabulous ass.
- I still do.
- So I’ve heard.
- You still hear about me?
- You’re a plague; yes, I still hear about you.
- When?
- When I’m about to die.
- Are you now?
- Yes.
- Kiss me.
- You were always a fantastic actor.
- That’s why you were with me.
- You loved the fuck.
- I loved your body most. (And I fucked it.)
- Why?
- Why I fucked it?(!)
- What?, no, the body.
- You had especially beautiful ribs.
- Hips?
- Ribs.
- Why aren’t we together?
- Cause we love now.
- Each other?
- Don’t know. Whatever; we love, it’s scaring enough.
- I reckon I kiss when I love.
- How is this?
- Never tried. Have you?
- Yes, I think so.
- What do you do? When you love.
- I love.
- Have you ever?
- Yes; you, I believe.
- When?
- That night when you didn’t cry because it was silent.
- You laughed.
- Through my nose. I ate you; with my eyes and through your skin.
- I felt it.
- I imagined.
- Are you drunk?
- No, I’m not. Are you?
- Can you ever tell when you’re drunk?
- Never saw any purpose on doing so. Can you? Are you?
- Have no idea. Will we remember this tomorrow?
- I will.
- You’re weird.
- Yeah.
- I’m too. That’s our problem.
- And our meeting place.
- Are you crying?
- No. I think I’m sleeping.
- I’m not.
- Wanking?
- Can you picture it?
- Yes.
- I’m not.
- Sleep.
- Don’t remember.
- I won’t.

Pay attention/ the price

Then don't go crying afterwards, whining and saying you did not have a chance to scape. You had, you let it go, you couldn't hold on to it for, in truth, it was not a scape at all. It was just a luminous and entertaining, mascarated and charmingly deceiving red hering, and you clinged to it, you loved it, for you knew you'd be deceived and entangled once more. Then don't go crying afterwards. Don't make yourself a victim and don't make a fuss. Don't pretend you act as good as she does, don't pretend she does, she does. (No, she doesn't.) Then, if you fall in despair, darling, because you may at some point, if you haven't already (everyone does, it happens, shit happens, don't go crying), if you fall in despair remember we don't want to see it, we won't want to see it, we'll probably watch you bleed for some time, but never mind our dreadful minds. So take care. Not that she'll eat you alive or anything (I know she's already doing it, but that's just her. It's a curse as well.), but do watch it not to fal in love with the other one not knowing for sure your disposition to do so, for loving the wrong one will tear you apart more then only one person could ever do. Watch it.

24 de novembro de 2008

What have we done?

É o cúmulo que o sono agora seja algo pesado pela impossibilidade do contínuo degustar da companhia do outro.

18 de novembro de 2008

Antes de saber que era fim, mas é fim, e então tudo isso não faz mais sentido, deve-se ler como o lirismo mais falso que já escrevi

Não sabemos pôr um fim, não sabemos pôr, e não colocamos. Eu não sou o que você quer, nem você o que procuro, nem essa tara e essa cisma são qualquer coisa de desejável. Também estou cansada e não deveria ter reiniciado isso tudo - tinha dormido o leão -, mas pouco me conformo do meu desejo que dorme sucessivas noites sem te ter tido. Acho ridículo e pouco sei aceitar que tenha sido assim, que não haja diversão e só esse peso desnecessário. Acho mesmo desnecessário. Vai perdoar minha humanidade cruel de ter feito isso da pior maneira, e de ter tido o tesão arruinado e decepcionado de tal forma que não me foi possível controlar o desapontamento. As coisas não são para amanhã, amanhã talvez não haja nada. São para hoje, hoje, agora, é isso que tenho a dividir e mostrar, é isso que posso dar sem prometer demais, é isso, e não entendo porque é que isso é pouco; isso é tanto. Da cumplicidade que não temos - porque só o que temos é o peso dos desencontros -, dela viria tamanho conhecimento e ela própria que acho que você ainda não percebeu. Veja.
Agora me basta. Esperei tudo que podia e por um tempo mais longo do que concederia a outros espíritos e corpos. Esperei e incitei mais do que minha própria mente se sentia capaz e disposta. Sei tudo o que falta para o bom funcionamento das coisas; não interessa. Você não compreende a dimensão das coisas, não, não compreende, ou sou eu que, inconseqüente, te quero a horas inconvenientes e sem pensar o amanhã. Sou eu quem não quer presentes a doze de junho, quem não quer finais de semana e encontros fixos, sou eu quem recusa estabilidade. Sou essa coisa disforme que se acha certa em ceder aos mais humanos e talvez menos apaixonados desejos, e ainda esperar reforço positivo.
Vai desculpar. Essa rudeza e falta de polidez que esbanjo. Não quero nada bonito, só quero. E você querendo o mais belo dos belos. É a inversão de papéis da minha vida. Hilário, caricato, bizarro. Melinda & Melinda, Woody Allen, nós Woody Allen, que com idéias e disposições maravilhosas conseguimos transformar nossa dinâmica no mais monótono e pretenciosamente delicioso conto. Sei lá que porra fazer, sei lá que porra. São precisas palavras. Cansativamente mais uma vez são necessárias as palavras que nos trazem para o chão, o não-tesão, o quadrado dos sentimentos e o cuidado dos corpos. E vens me perguntar se já estou mais comportada. Desperta o leão que sabe correr.

6 de novembro de 2008

[ ]

Também eu uso disfarces, também quero me esconder. E uso chapéus, uso barba, bigode, costeletas, óculos, ombreiras, sapatos, cintos, calcinhas, sutiãs... Mas é geralmente quando me ponho nua que eles não me reconhecem.

5 de novembro de 2008

Amanhã

[Nada de pessoalidades. Lirismo, lirismo, lirismo, que em mim é o que há de mais imperdoável - odeio ser muito perdoável, mas não tanto. Lirismo, lirismo!]
Caminhou dura, quase não caminhava, mas caminhava como sempre, só que como pedra. Comia pedra, comera pedra, com certeza, mal movia-se e sofria de forma estranha e pesada, quase como se os músculos recusassem-se a andar, mas andava. Esbarrou num transeunte, dois, caminhou a faixa de pedestres sem olhar para os lados, não morreu, mais uma vez não morreu - era sempre esse o problema -, caminhou, mais, não via, não queria, não ouvia, não cheirava, não dormia, não comia. Bebia só o que tinha chance de matar. Encontrou João no caminho. Passando pelo cemitério encontrou João; sempre muito frígido; tinha hoje especialmente os lábios frios; tinha a pele cinza e a cama verde; ê, inveja, João. Caminhou. Passou pela igrejinha, pelo padre, por Jesus (hehe, Jesus), outra faixa de pedestre, calçada, descampado, descalça, descalçado, descolado, descorado, colorido, tarde, fim, amarelo, laranja, fogo, roxo, marinho, fim. Parada sabe-se onde, não se sabe, não se sabe como saber a si, como saber a si?, comer a si. Virou-se. Era escuro e era frio, mas não sentia, era que passavam casacos calças e nucas eriçadas, na calçada, calada, cansada, prostrada. Olhou-se. Estava viva. Declinou a cabeça e seguiu o caminho de volta a casa. Era sempre a mesma coisa.

3 de novembro de 2008

Cinco pra fechar uma mão, vamos?

Isso está ficando patético. Um tudo bem, dois eu tolero, três acontece, mas porra, QUATRO É PATÉTICO.
Vocês podem, por favor, ser interessantes sem serem casados? Obrigada.

28 de outubro de 2008

When Anger Shows

It creeps all over you like a dull ache. Think of all the things your hands could make. It pulls you to the ground like soaking wet gloves, the change in your face when anger shows. In that moment you realise that something you thought would always be there will die like everything else...

These thoughts I must not think of, dreams I cant make sense of; I need you to tell me it's OK.

You are a sleeping lion in your bed - I will not wake you. You're the moment, love has passed, we all must learn to hate you; You're a memory from before, please don't let me forget you; you're the wolves at my door. In that moment you realise that something you thought would always be there will die like everything else.

These thoughts I must not think of, dreams I cant make sense of; I need you to tell me it's OK.

How can you know what things are worth if your hands won't move to do a day's work? How can you know...

These thoughts I must not think of, dreams I cant make sense of; I need you to tell me it's OK.

Editors

23 de outubro de 2008

Tchau, Rosa

Rosa, quando foi que esquecemos de nos conhecer? Me lembro que dia vinte e quatro marcamos a data do casamento e eu, temeroso, sorria como se soubesse o que me viria, e o que viria a você. Não te amava naquela época, te queria. Hoje, com esses anos todos, te quero por saudade das tuas pernas de menina. Diria que não sei mais quem és, mas jamais o soube. Amei-te durante os anos da média aritmética de nosso tempo junto, no período intermediário entre conviver contigo e não te entender e entender-te e não te perdoar. Quis-te todos os dias. Mesmo de costas a lavar nossos chinelos sujos de mangue e eu a lavar pratos e um tanto do desgosto. Éramos parceiros e fomos felizes, mesmo você com outros corpos e eu também. Jamais amamos outros olhos, penso, que não nossos próprios, que por horas também odiávamos. Odeiei-te por ter-me feito odiar-me por anos, e, por mais que te tivesse perdoado - pois que a culpa não era sua, e a mim só era possível perdoar-te quando a atribuía erroneamente a si -, jamais limpei minha memória para lhe conferir o lugar doce que por muitas vezes mereceste. Fui duro, compensando a moleza de menino e a besteira de ter consentido em nos amarrar tão cedo. Eu tinha uns trocados, você tinha uns trocados, pareceu-me inteligente juntá-los, vai desculpar. Pelo menos não tivemos filhos e então pelo menos nesse ponto fomos sensatos. Jamais fomos felizes, com eles então teríamos sido miseráveis. Nenhuma desgraça compara-se à infelicidade de ter um filho. Confundir noções de posse, liberdade e amor é capaz de matar um ser humano, e por mais que você me ache pouco isso, de fato o sou. Você lhes comeria os cabelos e os olhos e os membros pensando protegê-los, e eu os cuspiria para dar a dureza que a mãe poupara. Seríamos mais fracasso que hoje, você aí sabe onde, eu aqui nesse barco.
Depois de velho dei para querer ser santo e descobri que era essa a forma mais fácil de andar sobre as águas. Comprei uma madeira velha com motor com o dinheiro que escondi de você e saí por aí, brincando de marinheiro. Quando jovem quis sê-lo e não pude por pobreza. Quis ser feliz também, e não pude quase que pela mesma razão - é mentira que o dinheiro não é nada, e o nojo por ele é um luxo.
Enfim, você ainda pobre e do mesmo jeito velha, sem amores e com aquelas amigas que, como Dom Sebastião, você ainda acha que não morreram. Vou te contar que Maria durou só uns poucos anos depois de nossa união - minha e sua, digo, Maria nunca tive depois dos vinte e dois- e as cartas que mandaste não chegaram, é lógico. Vá averiguar. Tereza também, que me amou mais do que poderia e seria sensato, foi embora antes de tua última carta, aquela que contava de nossa dureza - sim, li. Outras foram há pouco tempo, e penso que essas leram a última impressão de tua caligrafia. De meus amigos, muitos já estão no inferno, inclusive João, que matei quase sem querer ao saber de seu romance consigo. Pedro infartou, José suicidou-se por Ana, Ana por culpa e eu agora estou próximo de ir pelo cigarro. Quase virei boêmio agora nesse fim de vida, não fosse pelo fígado já um tanto falecido, o pouco dom para as artes e a feiúra da pele murcha, que me impossibilitou muitas das mulheres que quis.
Agora, só navegando, estudo como irei morrer. Não se escandalize, vá, você sabia que eu era dado a essas tristezas que pensa injustificáveis e esse niilismo de gente pobre e magra. Não tenho mais teu corpo que quis por tantos anos, teus cabelos doces, teu olhar duro, tua pele dura, tua mente mole. Não tenho mais os orgasmos de nossa juventude odiosa, a amar-nos na desgraça e no ódio para disfarçar a infelicidade do que escolhemos para nós. Não tenho mais as brigas de tua insensatez e a casa na praia quase sempre levada pelo vento. Não tenho mais nada e já não me agüento, não me suporto, não me amo. Nunca me amei, mas só agora tenho a inteligência de desistir, dantes acha-me belo demais para acabar com o ar da própria graça. Enfim, chega. Nada quero mais. Espero que essa carta lhe chegue antes da morte ou do vento vencer a resistência dessas madeiras que juntei para nós.
Boa noite, querida, vê se vive um pouco antes do nada, entende logo que amanhã não precisa ter café na mesa.

15 de outubro de 2008

Você ainda vivendo e eu escondendo que vivo disso

Roberta, como senti sua falta. Esqueci-te, sei, e fui feliz. Sobrevivi e vivi dias sem sua presença ou sua sombra, fui realizada e provocada, me tornei ousada e curiosa, eu mesmo já não sou aquela que lhe deu vida e que por momentos decretou sua fome e morte. Não sei o que farei contigo. Descobri no espaço-tempo real um pouco da personificação daquelas letras, descobri verdades póstumas, e hoje tenho quase que o corpo das minhas ousadias secretas caminhando ao meu lado por essas ruas para as quais sonhei voltar. Se pudesse te dizer que mundo é esse que me engole, acho que ririas também, somos parecidas. Nossos medos e ânisas se cruzando nos sinais vermelhos dos outros, e nossos motores roncando soltos querendo correr. Também meu desejo vai-se corroendo e não pode ter vida, e fico achando bizarro e surreal e irreal essa realidade de artista. Se não sou, como vivo como se fosse? Quando percebi que então vivia assim, como o que ainda não sou, que caminhava com quase que o corpo das minhas curiosidades ao meu lado, quando me apercebi arregalei os olhos e ainda não os consegui normalizar, ainda estou degustando com medo essa sensação, e pensando como é encarar isso. Jamais pensei ser possível, é uma ousadia tamanha, você sabe. Outro dia choquei-me que me apresentaram alguém com seu nome que me queria o corpo e o potencial, acharam qualquer coisa da minha aura, e eu pensando como seria ter minha criação quase a beijei na loucura criativa que vez e outra me toma. Mas não é ela, ou você, quem me vai matar. Você sabe quem é e, sensatamente, mantém entre nós duas. Tenho medo de encontrá-la na rua, imagine, ela sem saber que já existe para mim me olhando como se eu fosse mais um corpo na Terra, que hilário seria. Tenho medo do quão seca eu seria, essa secura que os nervosos têm pensando conquistar corações mais bravos. Nós duas, sentadas naqueles ônibus de ar condicionado, naquele país estranho, aquela gente estranha, nossa pele estranha, e os outros, mesmo os que ali viviam, pertencendo a outro mundo, e eu e você nos estranhando em nossa similaridade, eu fazendo-me passar por mais um teste de fogo, mais uma tortura cruel e doce, essas provocações envenenadas que, olhe!, acabaram me levando a algum lugar.
Estou quase como outra e, na verdade, muito escreveria hoje do que escrevi naqueles tempos em que éramos só nós duas. Deixei-te, cruel, sonhar com Larissa sem tê-la, e você comportada engoliu o sofrimento pela expiação que o sofrimento traz, parecendo mais uma vez comigo. Há tempos te consomes nessa chama que não acendo, nem brinco mais. Parei e esqueci e quase acreditei que não vivo disso. Mas, enfim, é preciso acordar. Aqui estou novamente com disposição e pretensão de escritora, porque só isso me fará feliz, no momento então nada mais engolirá meus desejos mais perfeitamente, nem também mais cruelmente, que é sempre o preço a se pagar. Esse meu lirismo é imperdoável. Ah!, como meu lirismo é imperdoável!. Jamais sofri mais por outros motivos que não minhas criações. Aprendi a achá-las engraçadas para sobreviver e ainda hoje não consigo achar que de fato são elas que me matam, mas muito são. No momento agora quero só contemplar o achado do bruto dos meus desejos inflamados mais bem guardados, como te contei que encontrei, porque logo, eu sei, vai-me escapar. Nenhuma característica mais própria para ter: sabe correr.

13 de outubro de 2008

De vinte e quatro de julho de dois mil e oito, às duas horas, três minutos e nove segundos da manhã, guardado como de "De mim",de cujo nome não gostei

Entro e apago a luz de um só gesto como se me dissesse que, no escuro, posso ser sincera. Há somente sombras, sobras e penumbra. Um colchão, um copo de água vazio, livros e o violão. Parece subsistência. É lindo. Apago a luz como se ligasse o escuro de mim, meus esconderijos baratos semi-rijos. A luz que cruza a janela nua é laranja, de poste, a lua mora do outro lado e por hora desce o céu, e virará minguante em pouco tempo. Por curto tempo posso fazer jorrar minhas verdades e por um momento, breve que seja, posso saborear o gosto incrível de já não me esconder. Escureço. Olho essas minhas olheiras de gente nova com negritude na alma, de gente corruptível e de gente pouco corruptível, de gente de muita moral, da mais comum. Encaro-me quase curiosa, e por pouco não acho bonito esse sofrimento pelo qual me faço passar. A roupa do armário é quase uma pessoa, os vestidos quase me tem e os sapatos na prateleira mais baixa, que é o chão, terminam o que quase forma um corpo inteiro: sou eu. Há também sutiãs e parte da bolsa da outra aparecendo pela porta mal fechada do armário embutido. E há eu, sentada só, buscando a mim mesma com pretensões de nobreza, mas sem buscar-me por ela. De repente, porque é nisso a que tenho-me reduzido nestes últimos dias de submissão e calor, subo por suas pernas lisas e afago seu cabelo negro, e cresço em seu pescoço e ela em meu corpo, descubro seus cheiros e gosto, seu gosto, e seguro-lhe a nuca violenta e, como hoje fantasiei, digo que ainda não a amo antes de a beijar. Também arranho outras costas, mais largas e de outra fruta que não pêssego e puxo cabelos menores e que me amam mais que os dela. Levanto, acendo um cigarro, paro e penso em mim. Pouco verdade, penso em nada. Sou. Sem hobbs de seda, pensando estar num filme, expondo meus seios para a rua, para os vizinhos que nunca viram filmes franceses, nem ainda entenderiam meu viver. Viro-me. Não sei o que quero ver. Seu corpo ainda jaz largado sobre a cama e os lençóis, e seu sorriso atravessado não é tesão, é amor. Isso me mata. Como tudo de errado muito certo que tem me matado. Essas coisas certas e certeiras têm me matado. Em outro prisma, ela se encosta na parede de entrada do corredor e me vê jogar fumaças com o hobb mal amarrado. Sorri entre dentes pelas minhas costas. Não me ama. Sente começar a me amar e quase desespera. Não o faz pela sensualidade do momento. Tenho que parar de pensar. Quero viver. Preciso. Seguro sua mandíbula com força, quase como se a fosse lançar ao chão num só gesto de desgosto, mas noutro de perdição lanço-me, beijo-lhe os lábios sem amor, sem amor, sinto suas mãos procurarem-me, seguro-as, aperto-a contra a parede, não respeito suas vontades, não as quero, quero só a si, nesse momento, agora, ou ela ou a morte, os dois misturam-se, os dois são um o outro, e por fim morro. Deitada na cama abro os olhos para o teto, pensando encontrar a beleza em ser deixada. Sorrio, a luz ainda é laranja, ainda é de poste, e a lua sobe do outro lado nova. Rio só, sola, solamente una vez y nada más. Arranho-me o rosto, é quase um prazer, a dor se pinta de prazer, depois sangra. Agarro-me aos lençóis e há sexo mesmo assim, mesmo só, sem nada, nem mim, já não há nada. O violão, as roupas, o copo, os livros, tudo continua; eu também. O quarto é o mesmo, mesmo as malas ainda estão deitadas ao meu lado. Mas só elas. Não virão me buscar. Não ouvirei ruídos de sapato, nem sequer tive tempo para me acostumar a eles. A parte da bolsa que mantinha-se fora do armário e viu nossa guerra me olha, sente dó, quase chora por mim, e volta a dormir, é só o que pode fazer. Os sacos plásticos parados no canto do quarto nem sequer ventaram, nem fingiram voar, nada. Ainda se abraçam, um dentro do outro, e eu vazia. Não me dizem que me avisaram, mas nem isso parece bom. O estômago ronca, fome. A capa do violão encosta-se na parede torta, tem o mesmo problema de coluna que eu. Os carros passam, fora, longe, ainda não tenho carteira e o mundo não é meu. Nem ele. Nem ela. Nem ela. E me ligará depois, terça de tarde, para favores sexuais. Mais fácil que páginas amarelas.

12 de outubro de 2008

sangue pelo chão

Não sei ser pessoal e sutil como Manuel. Não tenho as mãos doces de Vinícius também, e então não ficam nem eu fico apaixonada. Sou mais como as tentativas sem fim e final de Drummond, eu que não gosto de Drummond sou mais como seu fogo solitário. Cansei de solidão e do que não está mais no uso corrente. Das coisas pelo meio e do meio das coisas e do meio das coisas de não acabarem. É mais simples, não é tanto só um prazer de arrastar-me pelos cabelos pela tortura e pelo prazer visual de quebrar meu prazer corporal, é um não querer que o prazer venha de mim, eu acabo sempre pensando, é o não querer que o prazer venha de mim que me mata. Mas afinal não é uma incapacidade, mas talvez seja. Uma vontade que inunda e afoga de provar a capacidade e eficiência, e de que o outro não queira fim ou o queira por cansaço. Situações incômodas, vergonha do esforço, auto-ridicularização da tentativa, impossível tentar ser isso, vergonha, reafirmo, da ridicularização, meu medo mais medo, amarras, sem serem sensuais.
chega de coisas pela metade.

2 de outubro de 2008

Morte a nós na praia! - que é a pior e a menos casta

João gosta de Tereza, que gosta de Antônio, que gosta de Carlos, que gosta de Larissa, que gosta de Pedro, que gosta de Joana, que gosta de Marina, que gosta de Fernanda, que gosta de Marina e nada mais é errado. Alguém tem de ser feliz na história.
ou
João gosta de Tereza, que gosta de Antônio, que gosta de Carlos, que namora Larissa, que quer Pedro, que gosta de Joana, que quer sem querer Marina, que gosta de Fernanda e é amada de volta.
ou
João gosta de Tereza que por ter sofrido ao gostar de Joana abandonou o gosto por mulheres, e Joana, que finge querer Marina por uma necessidade pessoal de querer alguém, já pensou em ter Pedro, deseja o corpo de Tereza, parece compatível com Fernanda, que tendo conhecido Marina através de Carlos o largou, e Carlos, que não compreende ter sido trocado por outra mulher agora cogita querer João, antiga paixão de Antônio e que nunca foi homossexual nem sente inclinação. Larissa, no entanto, é só.
ou
O amor é uma luta, um capricho, um câncer, uma razão, uma vazão, uma loucura, uma tranqüilidade, uma violência, um ladrão, uma quadrilha.
ou
O desejo é não esquecer.

27 de setembro de 2008

26 de setembro de 2008

Confissões breves de mesa de bar

O rapaz chegou-se para junto da moça e disse:
- Antônia, ainda não me acostumei com seu corpo, com sua cara.
A moça olhou de lado e esperou.
- Você não sabe quando a gente é criança e de repente vê uma lagarta listrada?
A moça se lembrava:
- A gente fica olhando...
A meninice brincou de novo nos olhos dela.
O rapaz prosseguiu com muita doçura:
- Antônia, você parece uma lagarta listrada.
A moça arregalou os olhos, fez exclamações.
O rapaz concluiu:
- Antônia, você é engraçada! Você parece louca.
Manuel Bandeira, Namorados

24 de setembro de 2008

Entregar para Josué

Josué,
é verdade que o carro quebrou. Passei em cima do buraco de uma boca de lobo, aquelas que ficam no meio do asfalto; desculpe, não vi. Não quis chamar o conserto, fiquei sem graça; liguei logo o carro e saí dali o mais depressa possível. Depois de três minutos rodando, senti um barulho engraçado e quando deram cinco minutos, vi correndo na direção oposta a calota traseira direita. Senti um aperto no peito - e no (seu) bolso! - e, batendo a cabeça no volante como punição, sem querer catei o meio-fio, mas de leve. A roda ficou branca, mas você sabe que eu limpo direitinho. Mais pra frente - veja, só estou te contando essa vexa porque você é meu melhor amigo! - passei num quebra-mola sem reparar e, para a minha surpresa, a mola quebra mesmo! Hehe. Andei com o carro sofrendo mais alguns quilômetros, o Guará não chegava nunca, o endereço parecia na Europa - imagina! -, eram milhas e milhas, e finalmente cheguei ao fim. O problema é que não era meu destino. Improvisei um acostamento na beira de uma via super movimentada: seu carro deu sinal de falta de óleo e gasolina - eu tinha certeza que tinha abastecido! - e eu dei pela falta do manual - você não tem? Não soube para onde ligar, já que os telefones do mecânico creio que estavam dentro. Liguei para minha mãe. Ela trouxe uma amigas que chegaram depois de uns quarenta minutos, o carro já parecia derretido - eu sou excelente com riqueza de detalhes! -, o pobrezinho. Elas tentaram empurrar o bicho e ele até andou um pouquinho, mas muito dificilmente, e então resolvemos dar uma checada nas coisas e percebemos que estava com o freio de mão puxado. Acontece. Enfim, arranjamos o telefone de um mecânico com um alguém que parou para ajudar, mas ele te levou o emblema do carro, tem problema? De qualquer forma, ligamos e o mecânico nos pegou, quem não pegou mais foi o carro, que foi guinchado mais tarde. (Aqueles arranhados da lateral é certeza que já estavam lá quando o peguei emprestado de você!)
Desculpe esse transtorno!, mas não se preocupe, só precisarei pegá-lo emprestado de novo daqui a duas semanas, e os mecânicos me garantiram que essa quarta ele chega em suas mãos!
Obrigada por tudo! Abraços!

Quem tem colírio também usa óculos escuros

Dançava com liberdade. Com as pernas, os braços, quadris, cabelos e olhos - os seus e os meus, sem saber. Batia os pés mais vezes que a música, e olhava o dj por vezes com um deslumbramento de felicidade e prazer. Balançava o tronco quase que sem prestar atenção ao ritmo, chacoalhando-se na liberdade do movimento e no conduzir que queria, independente da freqüência dos sons. Fechava os olhos e os abria com freqüência menor que piscadas, e por vezes esbarrava nos meus que lhe olhavam a nuca quando de costas. Cheirei seu cabelo no escuro e na confusão, sem ser flagrado por nenhuma das almas que não me poderiam ver, os amigos vários que nos rondavam os corpos e velavam pela integridade de nossas intenções e nossos relacionamentos que extrapolavam as paredes da sala, nossos amores que não estavam ali conosco. Cheirei-lhe o cabelo, no entanto, sem medo, inconseqüente, arriscado, traidor, lindo. Estive próximo a agarrar-lhe o corpo e descobrir-lhe a boca, e por vezes vi a situação acontecendo à minha frente, meus dedos em seus quadris, nossos pescoços como cobras e nosso enlace, suas mãos comendo-me as costas, morrendo em mim, querendo-me. Vi a possibilidade disso e com sobriedade, apesar do álcool, pus-me a acreditar esperar passar os dias para a chegada dessa realidade. Não questionei se demorariam meses - semanas certamente sim -, seis talvez, meio ano contando carneiros. Não me pareceu que fosse desvanecer em mim o desejo das pontas quentes dos meus dedos, tão astutamente envoltos em outras nucas e coxas pelo querer e pelo também não poder ter as suas. Estive paciente e louco, observei seus trejeitos mesmo que não fossem meus (ainda[?]), suas pernas, seus sapatos, seu gosto por roupas, seu sorriso, suas circunstâncias. Fui solitário e feliz em meio a monstros e vitrines. Peguei em seus ombros com os olhos, toquei-lhe o rosto e o pescoço com carinho e violência, colei-a em mim, senti sua vontade voraz, quase fui assassinado tanto quanto quase matei, havia sangue e calor pela pista, todos nos podiam ver mas não viam, éramos só mais uma fração do mundo, alguns solitários nos olhavam por fraqueza, vontade ou inveja, acontece, já me aconteceu, já aconteceu a outros.
Mas nossa dança continuava, era circular por momentos, como uma constante e interminável emboscada, cobrindo espaços e rotas de fuga, eu e ela, e finalmente era via de mão dupla. Não mais essa tortura só, essa busca pela vontade dos outros, essa situação incômoda de loucura talvez desnecessária, fingida e insana, já insana pela mera loucura, pior ainda se despropositada. Não, era simples e fácil e entorpecedor e sexo e não amor, ainda não amor, para dar tempo de tudo, da felicidade livre e desempedida, do compromisso do querer, essa amarra amável, e então eu não mais seria portas abertas, seria porta de casa, conheceria seu quarto e seu armário, descobriria seus amigos e seria querido, seria a primeira pessoa a se ligar quando do acontecimento de algo, seria seu travesseiro e despertador, suas brigas e birras, deixaria que me conhecesse e conhecesse meu corpo, meu jeito, meus medos.
Mas agora, depois de carros, copos, colares, colagens e colírios e a visão de uma - sua - felicidade sem mim, nada mais quero além de óculos escuros.

23 de setembro de 2008

Responde

Está bom eu só estando aqui (pra qualquer coisa)?

22 de setembro de 2008

Maldades do eu-lírico criativo - parte I

Me rasgo de querer-te, de comer-te,
de amar-te, de querer amar-te, de querer comer-te,
de comer amar-te, de amar querer-te, de amar comer-te
e de não te ter.

Clareamento dos dentes expostos no post abaixo

A busca pelo belo não é luta por ele:
não é a necessidade de que as coisas sejam belas, ou se dêem de forma bela, é sim a procura, muito mais por curiosidade e exercício mental e analítico e costume do que por necessidade - que na realidade inexiste pra mim (já existiu, mas agora há outras prioridades, a saber, a satisfação e outros) -, da beleza inevitavelmente presente.
é só que acharei ou poderei sempre achar algo belo na medida em que algo pode sempre ser belo,
mas o belo é tão cansativo, tão cansativo, que deixa de ser belo com freqüência, e de repente não há beleza em nada, nada,
nem é necessário, nem é querido; não é necessário, essa é a questão,
e então é tranqüilo e simples, na realidade não é nada, só é;
e então é possível ser belo de novo,
mesmo que não se queira, nem precise, nem seja.
é que na realidade meu conceito de belo acho ser muito pessoal e jamais de todo compreensível.
(e talvez seja interessante saber que pensei mais de uma vez antes de escrever "a busca pela beleza" e fui contra a decisão de escrever, mas o fiz - é algo jamais entendido, e isso é simples.)

Eu tranqüila sentada à mesa num domingo, e que tudo o mais vá pro inferno

Faz tempo que não escrevo nada que me dê real prazer, ou me liberte, ou qualquer das coisas que antes busquei e cri e quis crer que atingi. Faz tempo, então, talvez, que tenho sido só eu, e só eu e eu-só e eu só sei o quanto sou necessitada de outros corpos além do meu. Tenho visto nascer a passos mais largos do que posso acompanhar um companherismo e um à-vontade espantosos, e por eles tenho os olhos mais arregalados de admiração e surpresa e deleite que geralmente. De resto, estanquei. Tenho relações tranqüilas, felizes e normais - ou, resumindo, medíocres e insatisfatórias. Sei que pareço pedir mais do que pareceria razoável, mas não peço. O que peço é o que me é básico.
Não me fazem as perguntas certas, não me fazem, sequer me fazem perguntas, e sendo eu uma compulsiva adepta das chicotadas impiedosas e das brincadeiras de tiro-ao-alvo com pessoas de exímia destreza, acabo achando estranho não me expôr com freqüência e por vezes malícia. Mas ninguém mais brinca (além daquela cujos passos corro para acompanhar com felicidade). Às vezes penso com real dúvida como pode ser suficiente que não se deseje aprofundar mais o poço quando se encontra petróleo, ou como é que se dorme quando há música tocando, ou como não sorrir quando de um encontro de dois, ou como não esticar os limites quando o material é flexível, ou como, e como, almoço e janto. A pergunta já me foi mais companheira e as respostas mais torturantes que agora. Agora sou tranqüila e minha tranqüilidade, como tantas outras coisas de e em mim, é venenosa. Sei sentar-me e ser feliz e sei correr e ser feliz e prefiro correr. Acho fácil fazer como devo e devo, não nego, e por vezes sei matar os outros sendo eu mesma e não sendo pontiaguda e não querendo matar, e mato. É curioso achar-se simples e entender, entender, que aos outros pareça mais simples não ser você, ou ser, em circunstâncias, seu oposto. Pesa-lhes a cordialidade, a preocupação com timing, a diplomacia, a busca por beleza, a passividade, o egoísmo, a pessoalidade, a autonomia, o estranhamento, o alheamento, o espaço enorme e todas as outras coisas que já me renderam troféus e prêmios. Pesa-me que lhes pese coisas simples, por vezes, e que achem complicado o que na realidade não é.
Mas, no geral, não me têm pesado. Me tem pesado, talvez, um distanciamento gradativo de corpos presentes, mais de um, mais de dois, deixando, na realidade, quase que só o meu sentado no meio fio com calma e tranqüilidade, sabendo achar belo que as coisas não se dêem como o planejado. Mas esse distanciamento tão bem disfarçado, nem eu o percebo sempre, nem ele é percebido sempre, e nem talvez seja distanciamento, mas eu só sei ver com meu olhinhos infantis, como os olhos de um bandido, que é.
Também, sobre outras coisas, não tenho sido razoável e realista. Continuo brincando de Deus e construindo realidades para me torturar, meu eu-lírico babaca e pobre e raquítico, quase uma dupla personalidade, e por vezes me quero matar por não deixar-me ser duas - como eu queria ser duas! Como por vezes sou incomodada pelo não ser livre e noutras sou feliz sentada numa cadeira dura que internalizo ser confortável de biblioteca e leio sobre como se dão interações humanas e sobre o conhecer ou não dos atores sociais das razões que os fazem agir como agem ou como não agem e a influência do saber sociológico sobre seu objeto de estudo. Meus repentes de liberdade últimos também todos possuidores da mais alta conotação sexual mais me castram que excitam, pois que excitar-se no quarto e na cozinha e no armário não te dão de fato o que comer a não a si mesmo. E a morte por cauterização lenta e gradativa da pele não é das mais agradáveis como o meu tino para o sofrimento me diria, mas ao mesmo tempo seria tão possível que não fosse sofrimento e também não teria como não ser sofrimento que me canso dessa dualidade ridícula e também da subjetividade-objetividade que Giddens quer salientar no corpo do ser e do saber social.
Esse então excesso de sexualidade que varia entre dois opostos e chega de fato a cada extremidade dessa escala não me servem de inspiração noturna, lírica, musical, científica, culinária ou qualquer outra merda que me traria evasão e mesmo estando pouco me fodendo para a seriedade de estruturas lingüísticas fico acordando, comendo e dormindo nessa torre de marfim da qual quero me jogar para morrer e para não morrer. E abaixo os hipócritas que acham que compreenderiam meus acessos de loucura e meus atentados sexuais e minha virilidade e minha delicadeza e minha necessidades. Arranho e rasgo e não me apiedo dos podres que pensam entender e aceitar e quem sabe achar bela essa coisa azeda e áspera e dominadora e exagerada que é cada um e esse fosso que não se transpõe mas que se pode pular momentaneamente, preocupando-se em escapar com rapidez e agilidade da loucura do outro antes que a identificação aconteça e a própria loucura e a própria sanidade - que é a loucura, e então fui redundante - te faça querer ser Deus para o outro. Não somos Deus para os outros apesar da nossa excessiva e falsamente delicada intenção, não somos deus para os outros e não criaremos uma religião em torno de nós mesmos, nem sequer nos adorarão, nem sequer nos adoraremos. Deixe de achar que vai compreender o abismo do outro, que vai entender e até achar belo que o outro te ataque, te arranhe, te morda, te beije, te cuspa, te exceda, te maltrate. Você não sabe ser o que gostaria, nem sabe ser seu oposto. Não sabe ser preso nem sabe ser livre nem sabe entender o que quer. Ficaremos para sempre nesse redemoinho de vontades e necessidades falsas, de repentes e de planos, de ataques e auto-defesas, da mistura do que não sabemos ter com pureza, não sabemos ter nada com pureza. Somos feios e complicados e intrincados e sós e você não saberá salvar-se e você não saberá satisfazer-se e você não entenderá o que ontem de noite pensou entender e eu só quero lhe beijar a boca e roubar seu prazer para entender o que é o meu.

Refém

Meu eu-lírico me tortura.

12 de setembro de 2008

Má, oh, Madá, oh, Madalê, oh, Madale le le le le lena

Madalena, só quero teu corpo.
Não seu coração, sua decência, seus pais;
Quero só teu corpo, Madalena.
Por que pensas que quero muito?, por que me achas vil, Madá?
Sumo com essa dúvida e esse pudor que é o amor, esse câncer epidêmico que os homens têm ou querem ter.
O amor não existe. Tua infância pintada a guache te mentiu:
Cinderela não foi amada, Branca de Neve também não, que dirá Ariel ou Aurora. Era tudo mentira, e você nos quer no topo do bolo.
Não quero Madalena. Não sou teu príncipe, teu sonho, teu carcereiro amado. Não quero entender tua lógica e tuas manias.
Por que me achas mau, Madá? Virá alguém que te quererá os trejeitos e os olhos e o coração e a atenção e tudo o mais que achar que deve.
Depois te estraçalhará a alma, a auto-estima e o amor, deixando-te aos pedaços e pondo a culpa em ti.
E tu me julgas a mim.
Mas eu só quero te estraçalhar os cabelos
e a boca
e essa sua pele de pêssego.

8 de setembro de 2008

Ficção de cinco minutos na escada de trás de uma comercial noturna

Eu sentava no quinto degrau da escada. Era de azulejo branco e o corrimão negro ao lado não falava comigo. Não que eu tivesse algo na cabeça que precisasse ser externalizado ou que me sentisse só e quisesse companhia e amor; mas ele não falava comigo. A cinquenta metros, a mesa de onde eu saíra minutos atrás ainda ardia em conversas interessantes, mas eu me preferia sentada encarando o escuro do fim de dia, a mente dividida entre pensar o que poderia e não pensar em nada.
O fusca vem, faz a curva e sem mistério estaciona na quina das duas fileiras de carros, o espaço onde em teoria não se estacionaria, ou onde fica o entulho ou o latão de lixo. É azul metálico e velho, como um céu noturno desgastado e por cima polido, e tem rodas velhas e pneus empoeirados de uso. Os faróis morrem, a luz interna não é acesa, o carro pára de respirar e espera. Ainda encarando o carro, como artifício de quem não encontra nada mais para voltar os olhos, ou não quer, ou não precisa, encontro dentro um vulto que mexe em algo sobre a coxa. Mexe as mãos repetidas vezes, é calmo e carinhoso, faz movimentos como se limpasse ou polisse qualquer objeto de estima. Então pára, não se encara no retrovisor, abre a porta sem pressa com a mão esquerda e se ergue com uma leveza pesada. Fecha a porta e caminha quinze passos até se encontrar à minha frente, a pouco menos de um metro, e me projeta a bala na testa.
Abro os olhos mais do que poderia, não tanto pela dor ou pela morte, mais pelo choque e o dramatismo de uma cena que certamente termina minha vida como se fosse um filme. Minha consciência ainda vive e, por mais que todo o resto de mim esteja morto, como seria impossível que não estivesse, vejo tudo de mais de um ângulo, como câmeras de cinema, e posso tocar os atores sem que saibam de mim; contanto, não sou espírito. A corrida reverbera no fundo de minha cabeça furada, os passos altos ecoando nas paredes da parte de trás da comercial onde o assassinato aconteceu; ela vem. Me vê o corpo jogado na escada suja, uma long neck que não era minha ao lado, tocos de cigarros vários, o resto vazio. Era como se eu chorasse o vinho de outras noites. A testa encharcavasse de mim, o sangue me descia a lateral do rosto, os olhos eram claros e vivos ainda que mortos. Jogou-se na escada fria com força e desespero, tomou-me no colo como se resolvesse brigar comigo por ter-me deixado à mercê, como se eu fosse qualquer pessoa importante que as outras têm intenção de matar; mas eu nada era e, agora assim, realmente nada sou a não ser algo estranho e mole de vestes numa noite leve e fresca da capital do país. Apertou-me e me sacodiu com voracidade, gritou-me nos olhos, ouvidos e cabelos, pôs sua testa na minha, balançou-me de início para me acordar e o terminou fazendo para ninar a mim e a si mesma. Pendia para frente e para trás como um pendão de relógio, e era: o tempo contava seus minutos, meus minutos, contava minha vida que fora e a que não seria e que portanto já não era. Outras pessoas passaram por ali. Os que estavam na mesa com ela não vieram, coisa estranha, de repente não estavam mais, quase que não viviam, entende?, como se jamais tivessem estado ali; tudo era negro e confuso. Minhas pupilas não contraíam mais, nem minha mão na sua, nem meu músculo da coxa involuntariamente. Alguns corpos desconhecidos caminharam ao lado da cena. Olharam estranho e com um medo curioso ao qual não cederam, nem deram importância. Ela já não entendia o que era aquela distância e isolamento ao redor de nós duas, aquelas pessoas que pareciam nos ver como atrás de vidros, de grades, da tela da televisão como um programa com potencial de ser bom mas o qual não se está com paciência ou tempo para ver.
Apertou-me contra o peito, o tórax e o peito propriamente dito, mas não acordei nem me senti mais aninhada, nem revivi. Eu caminhava por trás da cena, vendo meu corpo branco e o seu moreno, lembrando acontecimentos antigos e lendo seus movimentos e ações de agora, tocando o choro grudado em seu rosto, acarinhando seus cabelos, seu pescoço, aninhando-a aninhando-me. O tempo era frio e a noite pesada, mas eu leve anoitecia em seu colo solitário, sua dor entrando pelos meus poros mortos. Eu sentava à sua frente vendo seu rosto, seus olhos, sua aflição. Nada mudaria. Eu não viveria mais, sua vida não mais me teria, não nos veríamos em finais de semana, na faculdade, em restaurantes, em fins de dia e começos de tarde. À minha frente esfarelava-se sua pele, morrendo também, e um pouco do seu intuito e vontade de viver. O cansaço lhe dominava as células. Levantou-se, deixou com estrondo meu corpo cair de volta nos degraus frios, a cabeça batendo na quina de um deles, amassando um pouco da têmpora já póstuma, virou-se e caminhou sem pressa saindo dali, nada em sua cabeça, nada na minha. Nenhuma intenção mais pelo meio, nem nenhum pudor de falas fora de hora, nem nenhuma vontade de encaixe, nem nenhum conto especial, nenhum olhar que se entendesse, nenhum choro que acalentasse, nenhum ganho de personalidade, nenhuma mudança, nenhum avanço, nenhuma eternidade. Teria o resto dos dias como um calvário que depois de tempos se tornaria mais enfraquecido e fácil e cansado e internalizado de tal forma que fosse um tanto inconsciente e que não a matasse mais com tanta força, mas ainda assim aos poucos morreria também por causa dele, e aos muitos sentiria dor exatamente pelo desgastar desse penar. Nada mais avançaria em seu relacionamento comigo, nem eu sofreria por separações inevitáveis e inexistentes. Eu não mais erraria em associar coisas que não nasceram juntas, em pedir coisas que não me trariam nada, em exagerar a pesagem de coisas leves. Não me entregaria ao choro em seus braços, não entenderia errado intenções, não sofreria antecipadamente.
Na dobra da esquina seu corpo sumiu para sempre e não sei onde ela morreu.

31 de agosto de 2008

Sair de debaixo da saia que só te quero quando consegues ser você

Fazer do amor algo belo. Porque te desejo tanto quando você consegue ser você e ser só você e não ter medo, e te desejo tanto mais quando sai de debaixo da minha saia, e debaixo dela só esconde a mão e o pudor e sabe respeitar suas próprias vontades sem ver nisso desrespeito por mim. Que te quero mais quanto menos achas que fere meus sentimentos e a beleza do amor. Isso me é tão nítido que tenho medo de que jamais consigas fugir dessa amarra que é minha personalidade pesada e o peso dela em seus olhos. Não sou leve e, por mais que ache bonito quem seja, não quero ser. Sou todo esse corpo pesado que você vê e continuarei sendo, e até meu colchão densidade 33 tenta se adaptar à carga que carrego por dentro. Saiba ser, que eu sou. E só. Não se incomode com os pudores sociais de ser belo e dar-me mais amor que tesão, que não é isso que quero. Pergunte-me o que é que quero se por instantes te fugir as intenções da minhas vontades. Ou ignore-me se for demais e se não for o que quiseres. Seja. Não seja prisioneiro, não quero prisioneiros, quero colegas de fuga. Somos escapes e podemos assim ser felizes, você não vê? Só há beleza se houver leveza. Não se preocupe com minha ótica e o que eu vejo de você, que se não tentares ser nada por medo, nada verei, nem quererei. Tenho um pouco de medo do que quero e você não pode dar; você sabe que há coisas que simplesmente você não pode dar (ah!, o problema da estrutura). Períodos de vida são de fato compliacdos, você sabe, eu sei, sei lá como faremos, faremos. Não dando certo, não deu; sejamos leve e saibamos caminhar. Tempo ao tempo e espaço para nós. E, vamos lá, carro atrás dos bois.

30 de agosto de 2008

Que fim levaram todas as flores?

27 de agosto de 2008

Como o Desassossego em Pessoa

  1. Projeções de amores futuros jamais serão amores futuros. Serão sempre e só e cruamente projeções em telas de seda.
  2. Reduzem-me a um vexame; um descontrole de braços e pernas e mente e agenda, um amontoado engraçado de vestes e a uma tentativa falha de sucesso. Espancam-me com rosas e por isso não acha nem jamais acharão que me espancam.
  3. A pior das humilhações é a que vem do amor. O amor é a pior das morais.
  4. Sentir-se mal não é nada comparado a sentir-se mal humilhado por quem te estima.
  5. É necessário guerra.
  6. O copro dói amando o que não sabe amar.
  7. O desespero por uma paixão que fosse de fato paixão e talvez então amor soube deixar-me num estado de vegetativa esperança e cobrança.
  8. Sentir-se sozinha na realização de tarefas pelas quais não lhe atribuirão créditos.
  9. Meus erros são muito mais bonitos que qualquer dos meus acertos. Compreendo que me pisem.
  10. Ridicularizam-me com amor e se peocupam quando não sorrio.
  11. Peço desculpas por essa minha deficiência de nervos e tolerância de aço e esse meu sarcasmo amador e feio.
  12. ()
  13. ()
  14. ()
  15. Bocas em bocas enquanto bocas em corpos > boca em boca e felicidade no copo.
  16. ()
  17. ()
  18. ()
  19. O pêssego imita sua pele.
  20. Se o tempo é errado, tudo o mais será errado.
  21. Será que um dia a liberdade virá?

(...)

24 de agosto de 2008

Alguém que derrame/seja

"... óleo pelo asfalto,
à espera de um acidente de carro,
que com suas luzes, como fogos de artifício,
como um chamariz,
esclareça os caminhos e proponha uma
dança..."
(sem deixar entrar luz em casa, Roberto M. X. Reis)

21 de agosto de 2008

E o desenrolar

- Cara, peidar é muito desumano.
peido.
- E tenho dito.

Louvável

- Cara, peidar é muito desumano.

20 de agosto de 2008

Não,

eu não me reduzo ao que você acha belo.

13 de agosto de 2008

Atemporal

Tudo o mais que anda em paz mente por aí que é fácil viver.
(13:00, 9/6/2008)

(22/07/08)

Eu preferiria então morrer só(pausa.)
a morrer aos poucos contigo(pausa leve.)
, matando-te.

5 de agosto de 2008

segurando as pontas sem desfazer o laço

você faz horrores de diferença. não é bom saber disso? pra mim, eu digo, eu pergunto, quer dizer, porque te vejo muito e convivo e te ouço e te procuro entender e te procuro instigar a querer ser entendida e a acreditar na possibilidade do entendimento. e então de repente te ver e não te ter acesso, o acesso desejado, pode matar com uma facilidade interessante e constante, mas também há o intuito, seu e meu, de fazer disso menos frequente, eu acho, esses encontros que não são encontros, são só visões um do outro. e então descobrir-me descobrindo respeitar você e seus momentos e entender que nem tudo pode ou deve ser entendido e respeitar seu espaço e respeitar seu não se esforçar simplesmente por um cansaço físico e mental e emocional que não necessariamente é relacionado à pessoa que eu sou, mas pode ser, e, sendo, também deveria eu entender, e entendo. e respeitar então seus muxoxos insatisfeitos de cansaço de rotina, de simples cansaço e aceitar que não seja sorriso, seja um escolho entre o triste, o cansado, o decepcionado e o que se prepara para algo pior, e ver essa zica ao redor do seu dia a dia e suas mãos que contam tanto de você quando você dirige impaciente com a vida. tudo isso, ver e entender e simplesmente poder ver e entender, ou respeitar sem entender, tudo isso é lindo e tão cansativamente interessante que por vezes não te gosto pelo simples fato de te gostar e te entender sempre que posso. que lindo também é quando não entendo e é simplesmente você e eu, diferentes e, e aqui o e tem sentido de mas além de e mesmo, uma ao lado da outra, por uma razão ou outra, mas enfim sem concordar em posições sobre assuntos e sem entender e uma vontade talvez de mudar a mente da outra, e várias vontades que por vezes também escondemos por receio de que as bases do relacionamente não sejam, ainda não estejam, quer dizer, assim tão fortes, e então se preparar, constantemente, treinar-se para, esquentar-se para uma luta futura que não resultará em sangue, crê-se, por mais que tenhamos cogitado clubes da luta em finais de semana ou simplesmente a existência desse clube. daí também, quando bate sobre mim a crença da sua não tentativa de algo, quer dizer, do não esforço, também penso em ver seu lado e seu cansaço e descorrelacioná-lo a algo que venha de mim, como um desgaste de vontade da minha presença ou das minhas posições, e também tenho visto sua decepção fortíssima com minha inexperiência porque isso nos leva a uma perda de tempo e a um desgaste de rodas e ligamentos, e também a um atrito de neurônio com neurônio que nem sequer se conversam, só se gastam. daí te entendo, mas não sei se você me entende, você só busca paciência no silêncio, e você não é paciente, mas você às vezes é silêncio, é tortura calada e reservada, e eu tentando invadir isso fico ainda piorando seu humor, e pondo-me à disposição também te canso por não simplesmente deixar que você viva sua vida sozinha, porque você sabe quando é o momento necessário de estar sozinha e quando outro corpo é necessário, e eu ainda não sei pra você, ainda não tenho certeza de quando é isso, mas saberei. também esse hormônios expostos dos nossos corpos femininos entram em choque porque é assim que funciona, e eu acho engraçado por mais que compreenda o fato de que procuramos não nos bater. somos muito cautelosas com nosso carinho e nossos bom dia, de tal forma que o silêncio é a melhor barreira entre um pulso e um rosto, e tem funcionado, e às vezes não gosto, mas o bem é superior. vai dormir, vai sim, vou dormir também, a preocupação não é tão grande que me tire o prazer do sono do qual tenho me privado há duas noites, e os olhos certamente se fecharão com rapidez e calma, porque não vou definhar de dor ou dúvida naquela cama verde de que tanto gosto pensando se há algo crucial em cheque ou se vem aí uma desistência de um dos lados de manter esse barco correndo. isso nem foi cogitado, que o barco parasse de correr, lógico que não, nem você pensou nisso, mas agora, porque estou escrevendo e me deixando levar de repente pareceu-me natural a possibilidade disso, mas no nosso caso é uma impossibilidade, na verdade.

Acontece, Manuel

"Quando ontem adormeci
Na noite de São João
Havia alegria e rumor"

hoje os barulhos são confusão.

4 de agosto de 2008

Simples

Cansaço de falar sozinha por aqui.

2 de agosto de 2008

Correção

em Prismas 2 pra evitar mal entendidos.

1 de agosto de 2008

Prismas 2

Marias, Antônios e/ou anônimos.

31 de julho de 2008

Jamais será possível ter tudo

Por vezes sinto muito pelos meus leitores que não me conhecem o fato de que alguns outros o fazem. Isso porque limito o que vou dizer pelo fato de me conhecerem e me verem dia seguinte e me quererem bem ou não, e saberem ou não o que anda dentro de mim. Isso me incomoda às vezes, hoje. Hoje não queria que meus conhecidos me lessem. Que me descobrissem, me sondassem, me revelassem. Hoje não. Hoje queria cantar para meus anônimos as tormentas insignificantes pelas quais passo, tão ridículas e medíocres, tão fazedoras do meu mundo. Quereria contar do mundo ao redor do meu umbigo sem pudores e amarras, sem amarras, sem laços e duplos sentidos. Queria usar nomes e dizer as impressões todas, sem dualidades e fingimentos. Não queria, no entanto, contar toda a história de tudo o que tenho a dizer. Gostaria de contar só o interessante e interessado, para fazer virar os ouvintes todos a meu favor. Não quero agora nada que não seja a meu favor. Não quero olhos que vejam o outro lado da história, ouvidos que ouçam o que não dei atenção, línguas que me revelem novas perspectivas, mãos que se deitem sobre as minhas pedindo que me acalme. Não quero. Hoje quero que me ouçam e me aplaudam e me digam que é mesmo melhor que eu mergulhe em mim e nas minhas vontades, que seja louca e inconsequente, e respeite o que quero por querer simplesmente porque nunca dou atenção suficiente ao que quero com os olhos vendados. Hoje quero que me aninhem os cabelos sem intenção sexual e que de repente me tomem pelo pescoço e me beijem por beijar, por ser eu ali, por beijarem a mim. Que me beijem sem amor, sem amor, nada de amor. Corpo. Que as coisas sejam preto no branco, preto no branco, e ninguém se sinta usado, ninguém deveria se sentir usado se no fim o tesão é mútuo. O amor tem um jeito todo seu de estragar o desejo até quando o aumenta. Queria sentar em mesa redonda, quase como uma escritora sendo entrevistada, uma pessoa bem vivida contando as sutilezas de suas pisadas, pessoalidades, mentiras, verdades, tanto faz, contar algo, ser perguntada, ter o que dizer mesmo que não se tenha ido a lugar nenhum além do espaço que de tão imenso chega a ser ridículo entre uma ponta e outra do cérebro. Queria morrer. Nos braços de um desesperado e terminar com um sorriso, a nota final egoísta de quem soube viver sozinho e arrastar atrás de si rostos que se acham belos e que perpetuarão sua (falsa) beleza. A propaganda boca-a-boca é uma desgraça, é uma praga.
Queria não esconder o rosto por conta das pessoas que me querem melhor que as outras que não me conhecem e só me parasitam, coisa linda as pessoas que me parasitam, egoismo lindo de observar de longe confusões alheias e achá-las belas, ou não, mas achá-las, procurá-las. Queria contar com detalhes minhas podridões de alma, meus mais feios e corruptos sentimentos, minha mais sincera vontade de perpetuação de condições vis, meu chicote que me maltrata e que, no entanto, não jogo fora. Meu desejo, meu tão inflamado desejo pelo que não me quer, nem me conhece, pelo que não conheço e talvez também por isso queira. Meu desejo que me arrasta tanto pelos cabelos, e minha felicidade escrava de eles não desgrudarem da cabeça com tanta facilidade. Minha tortura medieval, consciente e dilaceradora, meus dias secos, cascas de árvore de cerrado, onde moro, esses troncos retorcidos, meu tronco retorcido, minha visão retorcida, meu desejo retorcido. Meu extremismo tão extremado, a beleza e a feiúra dele, meu amor errado, pelo que me ama em medida diferente, em auto-estradas diferentes. Minha não possibilidade de cumprimento de expectativas, essas expectativas cruéis e desalmadas. O amor cruel e desalmado. Meu amor; meu amor rouco, sincero e louco, que pede tempo por precisar, e dá desculpas comuns que ainda se fossem desculpas seria melhor, mas são verdades. Verdades comuns. Verdades comuns. Cara de desculpa e coração vil. Coração duas caras. Duas caras e a necessidade da escolha de uma. A demora da escolha de uma. A loucura que só a demora causa. A tranquilidade que só o desespero traz. A reviravolta imprevisível que só o desespero traz. O desespero traz e é trazido. Minhas unhas sem esmalte, minhas unhas nas cordas, minhas unhas nas coxas, minhas unhas nas costas. Pele e curvas. Olhos fechados fingidos e abertos em êxtase. Saber ser vista vendo o outro. Querer ser vista vendo o outro e o prazer de fechar os olhos e poder morder. Poder morder. Ter o ombro mordido, tão lindamente mordido, achar linda a dor, linda a dor, linda, linda, pernas fantásticas e bunda desejável e desejada, muito desejada, abraço dentro do casaco, blusa social larga, cabeça perfeitamente encaixada na curva do pescoço, mão estirada grudada na perna, louca, e o pescoço que morre na perfeição do encaixe, abraços por trás, 'dou dois', refreio do desejo, ligeiramente mais baixa, incertezas, golpes no escuro, beleza do escuro, procura de oportunidade, breves certezas de que da outra via também vem carro, da outra via vem carro, 'há pessoas pelas quais me sinto muito atraída', dizer isso duas vezes, olhar no olho, fica a dica, 'stay de dick', mainly stay the small dick no momento, muito stay the small dick no momento, ligar-se na tomada com uma facilidade incrível, linda e incrível e de fato muito veloz, sensualidade, estilos de roupa, ser algo, mostrar-se, viver, querer, querer dois, esperar, poder esperar, amar, amar erroneamente a pessoa certa, amar erroneamente a pessoa errada, amar certo a pessoa errada, querer muito e desmedidamente, romantismo com quem não devia, atenção ao sexual, muita atenção ao sexual, sexo, sexo, sexo, sentir-se fora de lugar, sem jeito, sem querer estar ali, não querer estar ali, querer estar ali, querer que estejam ali, querer, querer, entrar no banheiro, querer, conhecer, gostar, sentir, sorrir, abrir olhos, sair, estratégias temporais, sorrisos abertos, abrir portas, não fechá-las, explorá-las, explorar-se, não encontrar-se, encontrar-se, assustar-se, legitimar-se, amar-se, amar-se no ódio, na saúde e na doença, refutar religiões, sentir-se oprimida, padres e pastores de mãos dadas louvando com o povo, sentir-se oprimida, sentir-se muito oprimida, precisar de comprimidos, comprimidos em formato de corpo e com nome de gente, sentir falta, sentir muita falta, confundir mentes simples com expressões de posição e sentimento, como há mentes simples, seu mundo não é o mundo, amar muito, querer muito, querer um só quando o artigo é masculino, só poder ser um se o artigo for masculino, ligar, mandar mensagem, sentir falta, gostar muito, gostar horrores, amar, querer perto, querer muito perto, também dentro, já estar dentro, querer dentro, sentir sua pele, ver o sorriso depois de algo, lembrar da respiração enlouquecida e da nítida necessidade de refreamento quando da descoberta de covinhas de costas, um pouco de medo, precisar ir ao médico, minhas pessoalidades, necessidade de respeito, necessidade de espaço, necessidade de começo de semestre, necessidade de presenças e desenvolvimento de relações interpessoais várias,,,.
Todas essas coisas que tento mostrar, só que sem máscara.

30 de julho de 2008

O porquê da continuação

Pele, curvas e a descoberta de mais.
E o querer.

23 de julho de 2008

Um papel não é um canteiro

Não há propósito, nessa vida, em escrever coisas felizes. Não há propósito em colocar flores em papel, flores jamais são tão bonitas fora da terra. Não há propósito em amar na folha, há só propósito em amar a folha, o eterno incesto de amar a folha. É por isso que não escrevo coisas bonitas. Escrever bonito não é libertação. Escrever bonito não me faz chorar, nem me faz renascer, nem me faz amar. Escrever bonito me enoja. É quando então vomito que resolvo ir ao papel. É quando me acho de uma feiúra tão intensa que me levam para de frente do papel, e me amarram a mão em qualquer coisa que risque e me deixam para morrer no branco. E então canto, e choro e choro mais que canto, pois que só canto no fim do choro, e o fim é sempre breve. O fim não sacia. O fim não sacia nem as tristezas, nem as felicidades, o fim é uma invenção para que exista um começo, mas não há começo senão o trauma inicial e esquecido de nascer. E é bom que eu tenha esquecido o trauma de nascer - ainda que não o quisesse - pois que assim tenho toda a memória para gravar na retina o trauma de viver. E que trauma, que trauma! e é pena que não posso morrer nesse eterno êxtase de viver, é pena que não posso, e não posso pelos outros. Por vezes, muita vezes, quase todas, gostaria que não me quisessem como sou, que não me quisessem assim, para que pudesse renascer sempre que conveniente, para que pudesse de repente querer morrer e desistir quando desse-me preguiça de fazer o nó da forca. Queria que não me estimassem, nem me quisessem por perto, nem me tivessem apreço para que eu pudesse ser como os perdidos no mundo, os únicos achados. Gostaria de morrer no êxtase eterno de se viver livre. Mas também, aos poucos, não acho que eu queira ser livre assim. Assim, de tal forma que não me queiram, nem me apreciem, nem me queiram por perto, nem me queiram matar. Quero mesmo é fazer o que quero, e poder ser paradoxal, mas se fazer o que quero é condicionado pelo que sou e pelo que fizeram de mim, não sou então livre. Não sou livre, nunca fui, nem serei. Dirão por mim, depois que os vermes fizerem festa em minha carne, o que fui. Definirão-me de acordo com seus bel prazeres, com seus fetiches e suas memórias dúbias. Recriarão-me da terra, mas não me farão podre. Estarei já osso, mas farão-me recheada e altiva, bonita como seus quadros preferidos, e aposto que são Monets, e gosto de Munch. Farão-me tão bela que, debaixo da terra, terei nojo e não quererei jamais deixar o subsolo. Estarei ali esperando que venha algum pobre amigo solitário e se sente sobre meu travesseiro de pedra e ria, ria muito, ria gostoso, toque algum rock no violão e brinde com uísque. E depois deixe que venha uma passeata chorar sobre minha casa e crer na minha santidade. Enunciarão versos tão puros que tentarei fechar os ouvidos, e discutirão inscrever "Foi poeta, sonhou e amou na vida" em meu quadro negro. Não me conheceram, não me conhecerão, e me chamarão de amor e companheira e querida e eterna, sem saber que quero dormir para não acordar e que não quero sequer lembrar quem são. E quererão, como já disse, escrever coisas bonitas. Então digo agora que escrever coisas bonitas não tem propósito. Não há porquê humilhar aos outros com nossa felicidade tão radiante que não nos foi possível mantê-la em nós: foi necessário soar trombetas e soltar serpentinas. É certo que por horas isso é bem necessário, mas só o digo por obrigação de expiar futuros pecados. Escrever floreios é mera humilhação em praça pública dos corações desgastados. Ninguém precisa ler beldades. Ninguém precisa de um dia feliz para os outros a não ser que o outro tenha nome e viva perto e seja querido, e ser querido, argh, consegue ser um inferno. Jamais escrevi para alguém querido. Escrevi já sobre queridos, mas jamais para eles. Escrevi, sim, para mim e por mim, pela necessidade de cuspir feiúras que por hora pareceram belas - as feiúras têm essa mania de se mostrarem belas para os outros. Escrevi porque parecia o peito um antro repleto por demais de mim, e então quis sujar também os outros, sabendo que hora ou outra seria tida como bonita.
Então quero logo deixar claro que se em tempo virem qualquer coisa colorida - que não seja de vermelho -, perdoem minha humanidade de querer humilhar as almas em dias tristes e torçam, se parecer melhor, que logo esteja humana em demasia, e possa então cuspir feiúras em paz.

21 de julho de 2008

Ver beleza na senhora de branco, do outro lado da mesa, arriscando coisas da minha vida

Medos antigos de leituras de mãos e jogos de cartas, de donas de branco sentadas à mesa lhe contando o que é que se pode fazer da sua vida e das suas confusões do momento andaram se desvanecendo nos dias que se passaram. Não que tenha refletido muito sobre isso, mas o pouco que o fiz desconstruiu um medo de anos. Receio não, um medo mesmo. Um medo contraditório, por sinal. Porque por que era que eu teria medo de algo no qual não acreditava?, cuja força eu desmerecia?, cujo potencial eu achava, em talvez larga medida, aproveitador? Pois que talvez nem seja tão aproveitador assim, talvez nem seja, e agora meu medo é curiosidade. Curiosidade pura de querer saber o que me diria a senhora caso eu sentasse na frente dela, ela com aquelas roupas brancas, me dando conselhos sem me conhecer. Curiosidade de saber que efeito aquilo faria em mim, o que eu faria, no que acreditaria, se em mim, ou fora de mim, ou no fim.
Desde que ela me contou, na mesa do bar, e quis saber minhas opiniões sobre o acontecido, desde aquele dia, escondido em algum canto, a morte do medo e o nascimento da curiosidade de saber o que mais que há além do meu preconceito e da minha descrença. Queria até conversar mais consigo sobre essa minha nova meia-resolução e saber o que ela me diria; não que ela tenha domínio algum sobre o assunto, nem sei se tem, mas é que faz tempo que não converso consigo e então procuro qualquer tema, e esse então, tão pessoal, parece capaz de juntar minhas extremidades e as suas.
Também mais pessoas me instigariam a curiosidade nesse sentido e me fariam buscar sentido naquilo que eu desmereceria como desimportante, vago, mentiroso. Sou muito de desmerecer coisas na minha pretenciosa loucura.
Coisa bonita querer mudar assim não tanto por querer, mas por já ter mudado; sem saber, fingindo não saber.